Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

free the make-up

Choose Cruelty-Free!

Choose Cruelty-Free!

03
Mar18

Choose Cruelty-Free!

Choose Cruelty-Free

 

 

A quem já cá veio, bem-vindo de volta! A quem chegou agora, sugiro a leitura do meu primeiro post para me ficarem a conhecer. :)

Desta vez, venho falar-vos um pouco sobre cruelty-free.

Uma nota: Neste blog pretendo abordar apenas a parte dos cosméticos/maquilhagem. Não vou falar sobre outros produtos, farmacêutica ou medicina.

Apenas cosméticos e as suas marcas.

 

Comecemos!

 

 

Todos os anos sofrem e morrem milhões de animais em todo o mundo por serem utilizados em testes de laboratório. Desde coelhos, ratos, chimpanzés a cães. São utilizados para testar fórmulas, químicos, produtos finalizados, medicamentos e para investigação médica.

 

Basicamente são utilizados em testes de toxicidade, como o Teste de Draize e a Dose Letal Mediana, que são testes bastante dolorosos e que no fim, os animais usados acabam por serem mortos.

O primeiro “serve” para testar ingredientes em olhos e pele (normalmente em carne viva) por forma a “avaliar” a sua reação.

O segundo “serve” para determinar qual a dose letal de um ingrediente, forçando o animal à sua ingestão ou injetando-o até que metade da amostra morra.

 

Hoje em dia já existem muitos laboratórios e marcas que não compactuam com esta prática e utilizam métodos alternativos ao in-vivo, abdicando assim dos testes em animais.

Já existem, inclusive, países que baniram na sua totalidade a realização de testes em animais.

 

Infelizmente, a população em geral ainda não se preocupa tanto com a crueldade animal nos testes de laboratório como se preocupa com a utilização de pêlo animal em vestuário. Existe ainda muita gente que não faz ideia do que é isto ou tão pouco tem noção do que realmente é feito.

 

É, portanto, uma causa que tem que ser ainda mais divulgada. É preciso que se saiba que existem alternativas a nível de consumo, o que levará consequentemente a uma maior procura/oferta, como forma de boicote às marcas que testam, levando num futuro a que todas as marcas percebam que vão ter que ceder.

 

E por onde começar? Com informação!

 

Cruelty-free é todo o produto que, para a sua criação e desenvolvimento, não implicou sofrimento animal.

Atenção: pode conter ingredientes de origem animal. Um cosmético que não use ingredientes de origem animal é considerado vegan. São duas coisas diferentes e não estão obrigatoriamente interligadas. Podemos ter produtos cruelty-free com ingredientes de origem animal tal como produtos vegan que são testados em animais.

 

Uma marca cruelty-free, é assim considerada quando:

  • Não realiza testes em animais nos seus laboratórios;
  • Não usa algum laboratório que o faça por eles (criação de fórmulas, testes ao produto finalizado);
  • Os ingredientes que adquire não são testados em animais;
  • Os seus fornecedores também não testam em animais;
  • Não vendem os seus produtos em países que obrigam a testes em animais para a sua comercialização (como por exemplo a China).

 

Contudo, há quem possa considerar cruelty-free marcas que podem não ser fiéis a todos estes critérios (como o caso Inglot, que vos hei de falar noutra altura). O ideal será sempre “cumprir” os requisitos, porque todos cumpridos transmite-nos a real segurança de que nenhum animal sofreu para que aquele produto exista.

 

Outra questão, é sobre as empresas-mãe de cada marca.

Por vezes uma marca 100% cruelty-free pertence a uma empresa/marca que testa em animais. Aqui a marca cruelty-free não deixa de o ser. Mesmo que as opiniões se dividam.

Um caso prático para exemplo é o da NYX. A NYX Cosmetics é 100% cruelty-free, contudo pertence ao grupo da L’Óreal. E a L'Óreal já testa em animais.

 

Sobre a China.

Por lei, a China exige que para as marcas venderem os seus produtos no país, têm de ser testados em animais. Por isso, qualquer marca que comercialize fisicamente na China, teve de realizar a certa altura testes em animais o que a torna NÃO cruelty-free.

A lei, contudo, não abrange produtos adquiridos online. Se uma marca cruelty-free vender on-line e fizer shipping para a China, não significa que a marca teste em animais. Os testes nesta forma de comercialização não são exigidos.

A lei também não se aplica fisicamente em Hong Kong. 

 

Existem muitas marcas, que na sua política interna consideram-se cruelty-free, colocando porém o asterisco *Salvo quando exigido por lei ou quando não existir alternativa, blá, blá…

Estas marcas não são consideradas cruelty-free e devem ser evitadas. Ao comprarmos produtos destas marcas estamos a compactuar com a prática. São marcas que têm como principal prioridade o lucro e não a preocupação animal.

Existem alternativas!

Para que tudo faça sentido e se desmistifique que o cruelty-free é difícil de adquirir, é caro, etc… vou partilhar convosco uma lista de todas as marcas que conseguimos ter em Portugal, seja em loja física ou on-line com facilidades de shipping e portes simpáticos.

 

Este post foi escrito de uma forma pouco detalhada, simples e leve, apenas para explicar de forma geral o que são os testes em animais e o que é isto do cruelty-free.

Irei ao longo do tempo complementar este texto ou publicar atualizações à informação.

 

Se acharem outros pontos importantes que não estejam aqui, se sentem que está informação a menos ou se quiserem saber algo mais em especifico, deixem um comentário, mensagem ou enviem um e-mail através do canal disponibilizado na coluna lateral. :)

 

xx

 

sobre



⋯ Mariana
⋯ Cosmetics and make-up
⋯ Self-taught
⋯ Cruelty-Free since 2016

⋯ all ilustrations by me ⋯

contactos ⋯ seguir

arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D